A vida é a gente que transforma, por Gilmar Cardoso

“O cooperativismo como fruto do movimento operário resultou na criação de um modelo de associação com as seguintes características: propriedade cooperativa, gestão cooperativa e repartição cooperativa. [..] A cooperativa não lucra em cima do associado, ela é apenas um instrumento, para os associados, estes sim, lucrarem”. (RIOS, Gilvando Sá Leitão. O que é cooperativismo. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1989. p. 14.)

Estamos no Século XXI, no 3º milênio d.C. e a data de 28 de novembro é a 333º no calendário gregoriano em anos bissextos, como é o caso de 2020 e quando faltam 33 dias para acabar o ano. Novembro é ainda um dos raros meses do ano com dois feriados nacionais: Dia de Finados, celebrado no dia 2 e a Proclamação de República, no dia 15. O penúltimo mês do ano também é marcado pela campanha Novembro Azul, de conscientização para prevenção do câncer de próstata e que existe desde 2003.

A Coamo nasceu de idéias e ideais. 2020 também é o ano do jubileu de ouro, o aniversário solene dos 50 anos da Coamo Agroindustrial Cooperativa, a maior cooperativa agrícola da América Latina e uma das maiores do mundo em ranking da Aliança Cooperativa Internacional (ACI) que tem apenas cinco cooperativas brasileiras entre as 300 maiores do mundo, das quais 100 das Américas.

A nossa cooperativa nasceu com 79 agricultores associados que subscreveram a ata de fundação e um capital social de Cr$ 37.540,00, sendo que sua primeira sede foi um  modesto escritório com 50 m2. E assim, em 28 de novembro de 1970, lavrava-se a certidão de nascimento da Cooperativa Agropecuária Mourãoense Ltda, cuja sigla COAMO foi sugerida pelo cooperado e posteriormente vice-presidente, pioneiro do sistema de plantio direto regional, Gelindo Stefanuto e aprovada por unanimidade e “segundo a história fazia uma alusão a uma cooperativa com amor”.

A Coamo, com sede em Campo Mourão e unidades em outros 70 Municípios nos Estados do Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul; inicialmente denominada de Cooperativa Agropecuária Mourãoense Ltda., foi fundada em 1970 no dia 28 de novembro, por 79 agricultores e a partir de 2003 a denominação social passou para COAMO Agroindustrial Cooperativa, que atua na prestação de assistência técnica, acompanhando a produção dos seus cooperados, oferecendo suporte desde o planejamento do plantio até a comercialização da safra, além de oferecer cursos, treinamentos e encontros para os cooperados, que ao longo de cinco décadas, vem utilizando os benefícios disponibilizados pela cooperativa, têm acesso a assistência técnica e às mais modernas tecnologias que impulsionam o sucesso da atividade.

Hoje, passados e celebrados 50 anos de fundação, a cooperativa atua com foco em agregar valor às atividades dos cooperados, gerando renda com o desenvolvimento sustentável do agronegócio; e tendo a credibilidade como a base do cooperativismo perante o quadro social, sendo comprometida e responsável com os recursos e os patrimônios dos cooperados, assegurando qualidade e inovação de forma consistente; em síntese, a COAMO é unida pela filosofia do cooperativismo e organizada como empresa na busca do resultado e por extensão, contribui para o desenvolvimento social das comunidades onde atua.

Com expressiva participação no cenário empresarial brasileiro, a Coamo tem sido destaque a nível nacional, com recebimento de vários prêmios, dentre os quais o de Melhor Cooperativa Agrícola do Brasil, a 35ª Maior empresa do Brasil (Entre todas as companhias estatais, multinacionais e privadas, instaladas no país), a 10ª maior do país com capital 100% nacional e a 1ª maior do Paraná na classificação geral, além do reconhecimento como uma das marcas preferidas pela população paranaense na categoria Cooperativa de Agronegócio.

Enaltecidos publicamente como os homens que construíram a história, os 79 pioneiros  fundadores da Coamo são lembrados com emoção. Eles são espelhos que refletem a imagem de sucesso da Coamo construído nessas cinco décadas, juntamente com o idealizador da cooperativa, o destacado e notável engenheiro agrônomo José Aroldo Gallassini, operosa abelha da colmeia que representa.

Por ocasião do 30º aniversário de fundação da Coamo, em 28 de novembro de 2000, foi inaugurado o Memorial dos Pioneiros, que consiste em reverência àqueles que acreditaram na força da unidade e na solidariedade entre os homens. Criada pelo artista plástico Luís Trevisan, a obra simboliza, pelo enfoque de seus elementos, a visão de futuro dos fundadores e as vitórias obtidas ao longo da história da cooperativa.

Considerada a maior cooperativa singular da América Latina, com a atuação de mais de 29 mil agricultores associados e um quadro funcional de mais de 7 mil colaboradores efetivos,atuando em 50 municípios do Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul, a Coamo movimenta 3,5% de toda a produção brasileira de grãos e fibras e 14,5% da safra agrícola paranaense. Nestes 33 anos, a cooperativa investiu pesado na industrialização da produção e na sua estruturação para recepção da safra, estando cada vez mais próxima do seu quadro social.

O cooperativismo é uma das maiores forças da economia global. A industrialização dos produtos Coamo proporciona uma melhor situação econômica para todos e o resultado é fruto da participação dos cooperados e do trabalho sério e competente da diretoria, cuja gestão inovadora 2020-2024 está muito bem representada pelo Presidente do Conselho de Administração José Aroldo Gallassini e demais membros do colegiado, além da valorosa diretoria executiva.

A justa e merecida homenagem para a  primeira diretoria da COAMO  que foi assim constituída: Presidente: Fioravante João Ferri; Vice-presidente: Gelindo Stefanuto; Diretor Secretário: Nelson Teodoro de Oliveira; Membros efetivos: Jorge Garcia Árias, Rosalino Manuseto Salvadori e Susumo Takasu; Membros Suplentes: José Binote, Sebastião Evangelista Bezerra e Martin Kaiser; Conselho Fiscal: Odonel Procópio de Oliveira, Joaldo Saran, Theodoro de Andrade, Emílio Gimenes, Lourenço Tenório Cavalcante e Armindo Appelt.

O 28 de Novembro na história registra que em 1974 o imortal John Lennon se apresentou em público em um palco pela última vez, ao lado de Elton John, no ginásio Madison Square Garden, em Nova York (EUA); além da  morte do escritor gaúcho Erico Verissimo em 1975;  considerado  um dos maiores escritores brasileiros do século XX, é dele e apropriado para a ocasião natalícia que “Quando os ventos de mudança sopram, umas pessoas levantam barreiras, outras constroem moinhos de vento” e que “a felicidade é a certeza de que a nossa vida não está se passando inutilmente”;  ainda na literatura,  perdemos o Coelho Neto, fundador da cadeira número 2 da Academia Brasileira de Letras (ABL),  que foi por muitos anos, o escritor mais lido do Brasil e ensinou-nos que “quem deixa para fazer depois o que pode fazer logo, perde o que nunca mais encontrará”.

No Cooperativismo as conquistas são fruto do trabalho conjunto dos associados. Esses 50 anos, bem vividos, são marcados pela alegria, pela integração e pelo sentimento de dever cumprido na busca pelo desenvolvimento econômico, social e ambiental de forma sustentável. O cooperativismo pode nos ajudar a construir laços e a firmar relações entre as pessoas e mostra-nos que ao longo dessas cinco décadas a cooperativa transformou a vida dos seus associados.  Transformou as suas diversas regiões em três estados e  promoveu o  desenvolvimento, transformando sonhos em  realizações. A união e o trabalho entre Coamo e seus associados resultou na transformação da terra, da forma de cultivar, produzir  e,  também, de colher. Uma trajetória vitoriosa que chega a seu jubileu de ouro neste 28 de novembro de 2020. A união, a solidariedade e o bem comum são valores da Coamo.

Com os 50 anos da Coamo foi criado o slogan “A vida é a gente que transforma”, o justamente para mostrar para a comunidade, como um todo, o  potencial transformador. Registro e reitero a mensagem da música do cinquentenário: ABRAÇADOS SOMOS GRANDES. JUNTOS SOMOS GIGANTES!

Parafraseando o escritor, jornalista e professor Euclides da Cunha, cadeira n.º 7 da Academia Brasileira de Letras, que escreveu uma das frases ícones da literatura brasileira, digo que o cooperado é antes de tudo, um forte; e faço menção ao institucional da cooperativa que é forte como o homem do campo

Por tudo isso e muito mais, é que mais uma vez com orgulho e respeito, cinqüenta vezes tiramos o chapéu para o homem do campo, os cooperados da COAMO,  fortes por natureza.

PARABÉNS COAMO. 50 ANOS. FORTE COMO O HOMEM DO CAMPO! A VIDA É A GENTE QUE TRANSFORMA!

GILMAR CARDOSO, ADVOGADO, POETA, MEMBRO DO CENTRO DE LETRAS DO PARANÁ, FUNDADOR DA CADEIRA Nº 01 DA ACADEMIA MOURÃOENSE DE LETRAS.

FMkCtqZZFN

Mussum Ipsum, cacilds vidis litro abertis. Diuretics paradis num copo é motivis de denguis. Nec orci ornare consequat. Praesent lacinia ultrices consectetur. Sed non ipsum felis. Suco de cevadiss deixa as pessoas mais interessantis. Si u mundo tá muito paradis? Toma um mé que o mundo vai girarzis! e-mail: [email protected]