Quatro maneiras para você fazer seu planejamento sucessório

Seguindo os artigos sobre planejamentos para o ano que vem, neste explicarei quatro maneiras para você fazer seu planejamento sucessório.

O planejamento sucessório é tão importante quanto seu planejamento financeiro, sendo na verdade o primeiro um complemento do segundo, pois com um planejamento sucessório eficiente você evita dor de cabeça e pagamento de altos impostos pelos seus herdeiros.

Quando você vier a faltar uma coisa que você deseja é que sua herança seja suficiente para sua família manter o padrão de vida.

Mas caso você não faça um planejamento sucessório as despesas com inventário, advogados e o ITCMD (Imposto sobre a Transmissão “Causa Mortis” e Doação) podem chegar por volta de 11% do valor dos seus bens.

Se caso seus bens valham R$200 mil, o valor das custas desse processo pode chegar a R$22 mil, um valor considerável para ser desembolsado de uma só vez.

E essas despesas devem ser pagas pelos seus herdeiros antes deles terem acesso aos seus bens, ou seja, pode ser que não tenham o dinheiro suficiente para bancar essas custas.

Lógico que essas custas variam de Estado para Estado, pois o valor do ITCMD é diferente em cada Estado, variando de 1% a 8%, no Paraná a alíquota é de 4%.

Além de ser um processo caro, é demorado, o que pode deixar seus entes queridos em dificuldade financeira, pois além de perderem o provedor da renda da família, ainda ficam sem acessar a herança.

Uma das formas de evitar que essas despesas de transmissão de bens impactem muito a renda da sua família, é você ter um seguro de vida com um valor de resgate que seja suficiente para arcar com todas as custas para a sucessão patrimonial.

Supondo que você avalie que as custas com a sucessão patrimonial fiquem em torno de R$25 mil, você faz um seguro de vida com valor de resgate de uns R$30 mil, que será mais que suficiente para bancar às custas do processo.

Além disso, o seguro pode te oferecer várias outras coberturas, como por exemplo, internação, invalidez parcial ou total, doenças graves e etc.

Essas coberturas são importantes para você manter o padrão de vida da sua família, caso aconteça algum acidente ou doença grave que te impeça de trabalhar por um longo período ou pela vida toda.

Você pode também passar seus bens em vida para seus herdeiros, fazendo uma reserva financeira para pagar às custas da transmissão dos bens, como o pagamento do ITCMD, facilitando o acesso dos seus herdeiros aos seus bens.

Para evitar que seus herdeiros se desfaçam dos seus bens, ou consumam todo valor que você passou em vida, você pode colocar uma cláusula em contrato que eles só poderão se desfazer dos bens após seu falecimento.

Mas o meio mais indicado para fazer um bom planejamento sucessório é através da Previdência Privada, pois além de ter ótimos Fundos que entregam uma boa gestão dos seus recursos, o valor da Previdência Privada não entra em inventário.

Assim além de evitar todas as custas com o processo de transmissão de bens, seus herdeiros terão acesso imediato aos recursos acumulados por você.

Mas você tem que tomar cuidado para escolher um Fundo de Previdência Privada mais indicado para seu perfil, atendendo as suas necessidades e de sua família caso você não consiga mais trabalhar ou venha a falecer.

E se você não saber qual a melhor maneira de fazer seu planejamento sucessório, você pode contratar um Assessor de Investimento, que fará uma análise da sua vida financeira, e recomendará a melhor estratégia que atenda às suas necessidades.

André Lucas Ciola, economista e com certificado CPA 10 | [email protected]

FMkCtqZZFN

Mussum Ipsum, cacilds vidis litro abertis. Diuretics paradis num copo é motivis de denguis. Nec orci ornare consequat. Praesent lacinia ultrices consectetur. Sed non ipsum felis. Suco de cevadiss deixa as pessoas mais interessantis. Si u mundo tá muito paradis? Toma um mé que o mundo vai girarzis! e-mail: [email protected]